domingo, 5 de dezembro de 2010

Cinema em Bela Vista


Não sei como está hoje, não vou a Bela Vista há muitos anos, mas em época de conexão generalizada com o mundo deve estar muito diferente.
No início dos anos 80 os filmes de grande produção e sucesso chegavam em Bela Vista com apenas 3 anos de atraso.
Para a rapaziada,filhos dos fazendeiros da região ,que estudavam no Rio ou em São Paulo e passavam férias em Bela Vista, o cinema era apenas uma opção a tratar pois não haviam grandes escolhas na noite da cidade.
Estávamos em Bela Vista , eu e meu irmão, quando finalmente estreou Tubarão. O atraso neste caso era maior e assim a fila estava grande.
O cinema tinha padrões de serviço avançados e vendia cerveja e refrigerante para quem fosse assistir ao filme.
Assim fomos com o grupo de conhecidos para a estréia com lotação do cinema esgotada.
Ser o filho do médico que atendia sem cobrar a quem o procurava e não podia pagar trazia vantagens, deste jeito consegui comprar 5 ingressos.
Meu irmão se sentou e a sua frente estava o único lugar vago.
Filme iniciado, cerveja e pipoca na mão, senta-se a sua frente um sujeito enorme usando chapéu de boiadeiro.
Cláudio nada via e perguntou se alguém podia trocar de lugar com ele.
Ninguém aceitou pelos motivos óbvios.
Esticando o pescoço para o lado conseguia ver parte da cena.
Já havíamos visto o filme pelo menos um par de vezes e assim todos os sustos que o filme dá eram conhecidos.
Começou então a narrar o filme .
- A música está tocando mas não é o tubarão que vai aparecer é .....
Agora , é o tubarão, prestem atenção .....
Depois de 3 narrativas o sujeito do chapéu virou para trás na direção de Cláudio e pediu :
- Moço, por favor , quero ver o filme !
- Eu também , se o senhor tirar o chapéu , vai dar para nós dois assistirmos.
Surpreso com o pedido o boiadeiro retira o chapéu e se abaixa na cadeira.
Rindo com o desfecho assistimos o filme .