quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Maldade de Escritório - III

Voltando para casa a prestadora de serviço me perguntou porque não podia sair para almoçar fora da empresa.
Perguntei quem havia dito isto e, com a resposta, lhe disse que era mais um trote que haviam lhe passado.
Funcionário novo sempre pode passar por isto.
Na loja de departamentos onde trabalhei estagiários novos eram sempre vítimas de brincadeiras assim.
Volta e meia aparecia um na operação ou na área de suporte pedindo emprestada a régua para medir "densidade de disco ".
Pior é quando pediam folha de papel carbono pautado na secretaria.
Algumas pessoas ainda perguntavam o porque do pedido e as explicações eram singelas:
- O fulano está fazendo um pedido a mão, quer cópia, e assim com o carbono vai sair certo ....
As vezes o caçador virava caça.
Aconteceu com Izilda.
Havia colocado para rodar um grande relatório da folha de pagamento e, quando foi pegar o resultado na operação, recebeu de Roberto, um dos operadores, uma folha corretamente diagramada com uma mensagem de erro.
Pesquisou a mensagem de erro nos manuais e não conseguiu resultado algum.
Em busca de ajuda foi em nossa área de suporte de banco de dados.
Apresentou a folha a Zé Márcio que de imediato riu e disse :
- Ô Izilda, você não percebeu ? É primeiro de abril, olha o código mostrando a data.
Izilda riu e prometeu dar o troco.
Como ela não voltava para operação Roberto resolveu ligar para o departamento de sistemas.
Ficou preocupado quando ouviu que Izilda havia ido até a área de banco de dados.
Mais ainda ficou quando, na segunda ligação, ouviu que Izilda havia ido com Ivone, chefe da área de suporte de banco de dados, até a sala de Teresa, superintendente de sistemas.
Na terceira ligação, já aflito querendo localizar Izilda e esclarecer a brincadeira, ouviu que estava sendo aguardado na sala de Teresa.
Saiu da sala de operação pronto para ouvir a tremenda bronca que o aguardava.
Ivone e Teresa tinham fama, justificada, de pessoas muito sérias.
Quando virou o corredor na direção da sala de Teresa encontrou Izilda.
Começou a pedir desculpas rapidamente até que ouviu :
- Que é isto Roberto, não precisa, é primeiro de abril ! Te peguei !