sábado, 9 de novembro de 2013

Pedido de Adoção

Sábado  fomos a Lagoa ( eu e Elisa ) com os cães. Na volta deixo Elisa em casa com Apolo e Joile e levo Gerard na clínica veterinária para a segunda dose de uma vacina .
Não há ninguém esperando e somos atendidos de imediato .
Na saída paro na recepção para fazer o pagamento, na sala está uma Sra com dois gatos esperando para ser atendida .
Carol, a médica veterinária , chega na recepção e me apontando diz para a Sra que está com os dois gatos :
- Este é o cliente que me convenceu dos benefícios de alimentação natural . Os cães dele , são três, só vêm aqui para tomar vacinas há anos . Têm a saúde perfeita.
Curiosa a Sra começa a me fazer perguntas sobre a alimentação dos cães, o que pode e o que não se pode fazer .
Para ilustrar mostro a foto que tenho no celular de um prato de carne com vegetais que preparei uma vez.
Nossa, que prato bonito diz a Sra, esse prato eu comeria me diz.
O secretário da clínica , um simpático biba , me pede para ver a foto .
Mostro e depois de ver me diz :
- Eles comem assim , este tipo de prato ?
- Sim , comem frango , carne e peixe com vegetais .
- Moço , vou começar a latir , o senhor me adota  ?
Não pude deixar de rir junto com todos na sala , agradeci e saí .

sábado, 21 de setembro de 2013

Castigo para um idiota .

Estou com os cães na rua para a caminhada da manhã , sempre me perguntam qual é a raça , quem é o macho , coisas deste tipo. 
Caminhar com Scotties é uma massagem no ego, elogios aparecem.Em frente a um bar uma moça com duas crianças me para. 
Apontando para Gerard e Apolo a moça diz nunca ter visto um cão assim , pensava que só existissem brancos nesta raça . Explico que são Scotties  e não Westies .
Estou parado ainda  conversando com ela quando um cidadão de bicicleta se aproxima . Os três sentados a meus pés . Fica a olhar para os três e aí começa a agir como um idiota . Olha fixamente para eles e começa a rosnar  , me olha com um sorriso imbecil.
Fico quieto, Apolo e Gerard chegam a olhar para mim e quietos ficam. O Scottish não reage a provocações  mas não esquece .  Ainda sorrindo e rosnando comete o erro , se aproxima mais ainda na bicicleta e abaixa , a cara a pouco mais de um palmo deles.
Eu percebi o que ia acontecer mas fui lento.
Gerard e Apolo dão o bote, os dentes grandes aparecendo com vontade. Com o susto o sujeito se joga para trás e o tombo é espetacular  Um pedaço da manga da camisa está nos dentes de Gerard , o boné com Apolo  que o sacode .
As pessoas na rua caem na risada .Levantando-se o sujeito tem a cara de pau de reclamar comigo .
- Moço , seus cães me atacaram , olha minha camisa como ficou !
Devolvo-lhe o boné e respondo :
- O Sr agiu como um cachorro idiota,os ameaçou,eles só reagiram . Fique tranquilo estão vacinados , mas eu em seu lugar nunca mais faria isso .
Ele olha em volta , as pessoas ainda estão rindo e apontando em sua direção . Resolve pedalar e sai .

Os três me olham, me abaixo e os afago , nada de errado fizeram, só deram o castigo para um idiota .

sábado, 17 de agosto de 2013

Quem fala o que quer .....

Sábado, estou na rua andando com meus cães. Ao passar em frente a agência do banco lembro que preciso fazer um saque no caixa 24 horas.
Não tem jeito, resolvo entrar com os cães.
Ao entrar vejo duas mulheres em frente a um outro terminal de atendimento.
Faço o saque, estou guardando o dinheiro quando uma das mulheres ao ver meus cães diz :
- Olha,são os cães do comercial do IG !
A confusão entre Westies e Scotties é muito comum . Resolvo esclarecer .
- Não são Westies, são Scottish Terriers.
Neste momento a outra mulher, mais velha, faz o comentário imbecil .
- Claro que não,são completamente diferentes,o cão do comercial é bonito, esses não são.
Não digo uma palavra, abro a carteira e lhe estendo uma nota de dez reais.
O olhar é de surpresa e vem a pergunta :
- Para que é isso ?
Não escondo a satisfação em responder :
- Apenas uma ajuda, para a Sra comprar um óculos e espelho para colocar em sua casa.
O olhar agora de ódio é minha recompensa.
Saio contente com meus cães .

domingo, 4 de agosto de 2013

Ser gentil faz bem

Há algumas semanas estava lendo sobre o papel de neurotransmissores e como são importantes em nosso dia a dia para uma vida feliz.
Aprendi que a sensação que temos quando somos solidários, altruístas , gentis com estranhos, vem da liberação de dopamina em nosso organismo que nos provoca a sensação de bem estar, calma , relaxamento.
Esta semana vivi duas situações assim.

Na segunda-feira pela manhã cedo estou parado no sinal de transito da rua Buenos Aires com Av Rio Branco quando 4 meninas , mochilas da Jornada Mundial da Juventude nas costas, passam por mim . Estão rindo, brincando, uma delas me lembra Elisa minha filha .
Uma delas aponta para outra na direção  para um morador de rua, deitado em um papelão, ao lado do McDonald´s .Está o homem dormindo.
A menina retira um colchonete de espuma amarrado em sua mochila e coloca ao lado do homem .
Estou ainda parado observando quando elas se juntam as outras pessoas próximas esperando o sinal abrir .
Não resisto e falo com a menina que deixou o colchonete .
- Muito bonito o seu gesto , parabéns .
Ela me olha com um sorriso e responde rapidamente, o sotaque é mineiro :
- Estou indo para casa moço , ele precisa daquilo muito mais do que eu .
O sinal fechou e atravessamos , o dia está  bonito mas senti que tinha ficado melhor ainda .

Estou no supermercado para as compras da semana quando em frente a seção de pães, empurrando meu carrinho, sou abordado por um senhor.
Deve ter menos de 40 anos, as roupas são simples mas estão limpas, traz uma cesta básica em seu carrinho.
Observo o rosto, está limpo, os olhos estão claros , não tem o hálito e a aparência de um bêbado .
- Senhor , com todo o respeito, desculpe lhe parar assim , mas estou há quase três horas aqui no mercado, me humilhando em pedir mas estou desempregado, o seguro desemprego acabou , minha família está me esperando em casa e não temos mais nada . O senhor pode me ajudar a comprar esta cesta básica ?
Olho novamente o carrinho e só vejo mesmo a cesta básica .
Pergunto-lhe o preço da cesta básica .
- São 49,79 senhor .
Abro a carteira e lhe dou uma nota de cinquenta reais .
Ele olha a nota com surpresa e um imenso sorriso aparece quando me abraça.
- Ganhei a cesta , muito obrigado , muito obrigado meu Deus , muto obrigado senhor.
Digo-lhe para ir em paz , que sua vida melhore.
Ele se vira sorrindo e vai em direção aos caixas.
Olho ao  redor e vejo uma senhora, cabelos muito brancos, que me sorri e bate palmas me cumprimentando.
Digo-lhe sorrindo , não foi nada senhora, para a alegria que estou sentindo foi muito barato.





sábado, 27 de julho de 2013

Mágica na Avenida Rio Branco

A prefeitura do Rio de Janeiro baixou decreto instituindo multa para quem jogar lixo no chão.
Acho a iniciativa correta, assim como medida educativa a multa deve funcionar . Lamento apenas a ausência de lixeiras em todas as vias, em quantidade que ajudasse a recolher papéis, guimbas de cigarro, latas, etc.
Estava eu voltando do almoço quando, antes de entrar no prédio, resolvo acender um cigarro.
Ainda é permitido fumar ao ar livre.
Estou ao lado de uma árvore em cuja volta estão muitas guimbas de cigarro.
Pois ao terminar de fumar ,apaguei o cigarro na sola de meu sapato, me dirigi a entrada do prédio quando fui abordado , de forma muito educada se registre, por um senhor com uniforme e crachá da Comlurb, a empresa de limpeza urbana.
- Senhor , boa tarde, pode me ouvir ?
Paro, respondo pois não e espero o que tem a me dizer.
- O senhor acaba de cometer uma infração ?
- Infração , que infração cometi ?
- O senhor estava fumando e jogou uma guimba de cigarro no chão.
Diz isso e aponta para a árvore.
Abro a mão e mostro-lhe a guimba apagada .
- Esta aqui ?
O homem traz surpresa no rosto, olha de novo para a árvore e para minha mão.
Ainda incrédulo me pergunta :
- Como o senhor fez isso ?
- Simples , é mágica .
Digo isso e entro no prédio, o senhor se volta para me olhar mais uma vez e segue seu caminho.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

O cão era outro

Sou apaixonado por meus cães, Scottish Terriers. Até o final de semana passado eram dois em minha casa . Depois de um curto período de hospedagem mais um de cor trigo, de nome Gerard, conquistou minhas filha e esposa e assim se juntou a nós.
Tenho mais dois , um preto de nome Apolo e uma trigo clara de nome Jolie.
Os dois tem temperamento completamente diferente.
Apolo é o próprio coração valente que a tudo encara , não importa quem ou o tamanho se acha que a família pode estar em risco.
Jolie se entrega para qualquer um , a buscar carinho e brincadeiras.
Tenho um amigo e vizinho de longa data que tem o costume de gesticular muito enquanto fala em voz alta .
Apolo assim sempre encara Rui, este amigo, como ameaça e parte atrás dele com todos os dentes a mostra.
Pois encontrei Rui na rua e lhe pedi ajuda .
A porta  de madeira de pequena despensa que mantemos embaixo do deck , onde guardo produtos de manutenção de piscina, estava quebrada.
Rui sempre foi o grande faz tudo, aposentado passa o dia a fazer pequenos consertos.
Pedi-lhe então que se pudesse fosse a minha casa para o conserto da porta desta despensa.
Quem me contou este caso foi minha empregada  Glória que o recebeu, não sabia Rui da presença de Gerard.
Avisando pelo interfone que estava subindo pediu que Apolo fosse afastado, estava vindo com um ajudante que tem muito medo de cachorro.
Os dois chegaram , Apolo estava em meu quarto .
Ao entrar o ajudante ao ver Gerard parado o encarando no meio da sala disse :
- Seu Rui , tem um cachorro ali , olha só !
Sem prestar muita atenção Rui respondeu :
- Ih , pode vir , aquela ali é muito mansinha , não faz nada , vai querer é te lamber e mostrar a barriga para coçar.
Ainda com medo o ajudante entrou e fechou a porta.
Nesta hora Jolie curiosa com o barulho da porta chegou na sala .
Ao vê-la Rui percebeu o engano, eram dois cães trigo, tomou o susto e não se conteve :
- Ih rapaz, caraca, é outro cachorro , corre que este eu não conheço .
A porta da sala fechada virou obstáculo para os dois que tentavam sair ao mesmo tempo.
A saída foi minha escada por onde subiram correndo .
Glória se dobrou de rir enquanto Gerard e Jolie apenas olharam .


sábado, 29 de junho de 2013

Humor Negro - Rapidinha

A palestra era séria . Estava a palestrante a falar de diabetes e como é importante sua prevenção, os sinais a observar , a importância do controle da alimentação , a presença de açúcar em cada um dos alimentos que consumimos.
A estória ganhou tons mais sérios, verdadeira tragédia, quando começou a falar do acontecido em sua família .
Quando criança lembrava-se de quando o avô teve que amputar uma perna .
Anos depois o avô amputou a outra perna.
Mais tarde o mesmo se sucedeu um tio e depois com outra parente.
Nesta hora não deixei de ouvir o comentário da colega a meu lado, amiga há mais de 20 anos , que deixou o comentário escapar de forma inocente .
- Puxa , quem vendia muletas para a família dela fazia dinheiro.
Levantei-me e fui para minha mesa, quase não seguro o riso.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Um Caso de Amor


Desta vez não é um caso de humor, mas sim um caso de amor.
Sorte tem o homem que tem vários amores,
E assim preenche sua vida ,
De amor filial pela mulher que lhe deu a vida,
De amor carinhoso pela mulher, primeira professora, que me ensinou a desenhar letras,
De amor, paixão, pela mulher, primeira namorada, razão do primeiro beijo de paixão,
De amor fraterno pela mulher, irmã , ombro amigo e confidente,
De amor e admiração pela mulher, colega , gerente, diretora , parceiras de trabalho, e desenvolvimento mútuo ,
De amor pela mulher, paixão e fogo, razão de sonhos e desejos
De amor paterno pela mulher, filha perfeita, realizadora de seus sonhos,
De amor intenso, razão de vida, pela esposa, companheira, amante, amada .
Sorte tem o homem que tem mulheres, razão de amor, em sua vida .

domingo, 19 de maio de 2013

Enganos da Vida Real


Algumas situações me perseguem, voltam a acontecer. Enganos com meu nome , Ely, são esperados , é nome usado tanto para homens como para mulheres. Mas fiquei pensando em como as situações podem se repetir de maneira diferente.
Estávamos na casa de saúde, antes da cirurgia da coluna , já no quarto , Leila levantou e resolveu ir ao banheiro.
Estou sentado no sofá , lendo no Kindle, para passar o tempo aguardando a ida de Leila para a cirurgia quando a porta de correr do quarto se abre.
É um homem, paletó e crachá da casa de saúde,  e me diz olhando para uma ficha :
-  Boa dia  ! O sr é ?
- Bom dia ! Sou Ely .
Olha novamente a ficha, parece confuso, mas resolve continuar a falar .
- Sr Maria , o senhor vai fazer uma cirurgia de coluna hoje não vai ?
Quase rindo , percebendo a confusão dele , respondo pausadamente .
- Olha  quem vai operar é minha esposa, Leila Maria , eu sou Ely , ela está no banheiro .
O alívio dele foi imediato .
- Ah sim , é claro , não estava entendendo o nome que minha colega colocou na ficha da paciente .  O Sr falou Ely e do jeito que está escrito aqui fiquei na dúvida se era Ely, o senhor sabe Ely pode ser homem ou mulher  ....
Leila saiu do banheiro e o enfermeiro pode então se apresentar.

No dia seguinte após a cirurgia, ao voltar do trabalho para passar a noite no hospital, paro na recepção para obter nova identificação .
- Boa noite , vim para ver a paciente do apartamento 420 .
A recepcionista me pede um número de documento de identificação e logo ao começar ela me interrompe .
- É o CRM Doutor ?
Acho que pelas roupas, pelo cabelo grisalho , e pela forma de falar me tomou por médico.
A mesma confusão aconteceu quando entrei com o carro na casa de saúde para buscar Leila .
Paro na cancela  e ao apertar o botão para retirar o ticket a cancela se abre sem a impressão do ticket.
Dois manobreiros estão mais a frente e a um  deles me dirijo já na entrada .
- Sr, eu vim buscar uma paciente já em alta mas o ticket de estacionamento não saiu.
- Não se preocupe Doutor , médico não precisa pagar o estacionamento.
É  a segunda vez em poucos dias que me confundem como médico, resolvo manter a postura .
- A paciente é minha esposa, não estou aqui como médico, quero pagar o estacionamento.
- Um minuto Doutor, já pego um ticket para o senhor. O Sr deseja que coloque o carro próximo a saída ?
- Sim , muito obrigado .
Ao descer com Leila o carro estava lá na saída , o manobreiro ainda me aguardava .
Ajudou-nos colocando a bagagem na mala enquanto eu ia pagar o estacionamento.
Dei-lhe a gorjeta e saímos , mesmo eu não sendo o médico que pensava ele foi muito gentil .

domingo, 3 de março de 2013

O Sequestro dos Bombons


Algumas situações engraçadas acontecem em festas, seja por que pessoas se sentem mais soltas em razão de estímulos ou por que estímulos surgem em algumas situações e as provocam.

Estávamos na festa de quinze anos da filha de Jovelina, a então secretária da área de informática da primeira empresa onde trabalhei. A festa ocorria em um buffet próximo ao Norte Shopping no Rio. Já havia saído da empresa, estava trabalhando na rede de lojas de departamentos, mas meu carinho e atenção com os ex-colegas da empresa continuava o mesmo.

Estávamos em uma mesa com outros colegas da empresa, a nosso lado estava um casal de mais idade, ela não parava de falar com o marido, este sempre assentindo, era o próprio retrato da piada , a última palavra era sempre a dele , “sim querida “.
Conversava com Augusto próximo a um parapeito quando vi a senhora da mesa se levantar, retirar uma folha grande de papel da bolsa, parecia uma toalha de papel, se dirigir a uma mesa de um canto onde estava uma enorme cascata de bombons . Aproximou-se da cascata, esticou a folha e alongando o braço varreu a cascata de bombons para seu papel formando um embrulho, um cilindro. Feito isto voltou a mesa e por não caber o cilindro em sua bolsa o deixou em cima da mesa após falar com o marido.
Sem acreditar no que tinha visto falei com Augusto :
- Você viu o que aquela senhora ali de óculos fez ?
- O que ?
- Está vendo ali aquele cilindro grande de papel em cima da mesa dela ?
- Sim, o que é ?
- Ela levantou, varreu aquela cascata de bombons daquela mesa e fez aquele embrulho.
- Mentira, ela não fez isso !
- Fez sim, isto não está certo,que grosseria, falta de educação .
- Verdade, isto não se faz.
Achei que o “crime “ não podia ficar sem castigo. Ao olhar para o lado vi que havia uma pilastra junto ao parapeito, deixando um espaço não visto por quem olhava de frente.
Voltei a falar com Augusto :
-  Fica próximo a pilastra. Eles vão dar bobeira, vou pegar o embrulho, te passar, e você coloca atrás da pilastra, no parapeito.  Eles vão tomar um susto.

Augusto riu e se posicionou. Não foi preciso esperar muito, a senhora se levantou da mesa, esperei ela se afastar e percebendo que o marido olhava para o outro lado em um bote peguei o embrulho que foi rapidamente para trás da pilastra.
Fazendo nossa melhor cara de paisagem pegamos duas doses de uísque , encostamos no parapeito e começamos a observar o que iria acontecer.
A senhora voltou  e ao sentar a mesa cobrou do marido :
- Onde estão os bombons ?  Sequestraram meus bombons !
Ele virou para o lado e nada havia. Você levou ele disse.
Porque iria levar os bombons ao banheiro ela respondeu .
Começaram uma busca frenética, olharam em baixo da mesa, no chão em volta, em cima das mesas próximas e nada .
Augusto e eu fazíamos força para não rir .
A senhora começou a desancar o marido .
- Você não presta para nada, nem para tomar conta de um pacote de bombons, pelo amor de Deus ....
Fiquei com pena do senhor mas não iria entregar o pacote naquele momento, ela estava merecendo o castigo também.
A coisa desandou quando Zeferino, colega da empresa, se aproximou do parapeito do outro lado da pilastra e olhando para o lado viu o cilindro de papel. Curioso pelo achado pegou o pacote. Estava começando abrir o embrulho quando a senhora levantou da mesa e partiu para cima dele.
- Este pacote é meu, me devolva , está cheio de bombons !
Zeferino surpreso com o achado retrucou :
- Bombons ?  O pacote tem seu nome minha senhora ?
Após dizer isto continuou a abrir o cilindro e não escondeu a surpresa .
- Minha senhora, quantos bombons, vamos socializar isto.
Nervosa a mulher puxou o pacote das mãos de Zeferino rasgando o embrulho. Uma chuva de bombons foi ao chão.  As pessoas que estavam em volta, assistindo ao que acontecia, começaram a pegar os bombons do chão.
Furiosa a mulher gritava, não peguem, é meu , fui eu quem pegou tudo , levanta Valdir , me ajuda a pegar , vamos homem mole.
Nesta hora não resisti e comecei a rir muito, Augusto e Zeferino se dobravam de rir também.
Fuzilando-me com o olhar a bruxa me viu rindo.
- Foi você não é ?  Foi você quem pegou os meus bombons ?
Uma lágrima de riso me escorria da face quando respondi vendo a mulher segurando bombons com as duas mãos.
- Minha senhora , a senhora está com muitos bombons, concordo com meu amigo, deveríamos socializar este chocolate .

Ela não me respondeu, voltou a mesa, jogou o que tinha recuperado na bolsa, chamou o marido e foi embora da festa.
Ao sair o marido olhou para trás. Fiquei com a nítida impressão de que me sorria.