Tipos de rua

Toda cidade, acho mesmo que todo bairro tem seus tipos conhecidos.
Em Ipanema a mulher de branco é figura conhecida por exemplo.
No Centro, quando trabalhava na sede da loja de departamentos, próximo a Praça Mauá,era fácil encontrar o maluco da tinta ou a doida beijoqueira.

O doido da tinta pedia dinheiro para realizar seu desejo.
Comprava uma lata de tinta em loja de material de construção e despejava sobre o corpo.
Um dia estava todo azul, no outro verde, em outro de branco, não fazia mal a ninguém.

A beijoqueira entretanto exigia atenção.
Andava pelas calçadas, maltrapilha, suja, mas ao avistar alguém que lhe despertava interesse corria, agarrava e lascava um beijo no desavisado.
Por algumas mulheres tinha especial aversão.
Izilda, uma colega da empresa, nunca havia lhe feito mal algum, nunca lhe dirigido a palavra, mas não podia a beijoqueira lhe ver que partia com tudo para a agressão.

Lembro de outro tipo que morava na rua de minha mãe.
Férias escolares, era comum a rapaziada de minha idade se encontrar toda noite em frente a um mesmo local.
Ficávamos ali jogando conversa fora, marcando ida a festas etc.
Pois era fato comum toda noite encontrarmos um senhor, já com mais de 60 anos, que sempre subia a rua voltando do trabalho totalmente alcoolizado.
Era nos ver e começava a gritar :
- E aí rapaziada, está tudo bem ? Quem quer jogar porrinha, sou o rei da porrinha .
Respondíamos sempre da mesma maneira :
- E aí tio, está tudo bem ?
Para provocar alguém sempre gritava Mengo, Mengo, o que fazia com que o senhor gritasse Vasco , Vasco...
Assim ficávamos até que a filha descia do prédio onde morava, após ouvir de casa o barulho provocado pela chegada do pai e desse jeito o levava para casa.
Um dia o enredo foi diferente.
Estávamos no mesmo local quando um táxi parou e o motorista pediu ajuda.
Ao nos aproximarmos ele disse:
- Vocês conhecem este senhor que está aqui atrás ?
Quando olhamos no banco traseiro estava o rei da porrinha .
- Sim, conhecemos . Porque ?
- Graças a Deus, quando entrou no meu carro ele disse o nome da rua. Quando perguntei o número ele simplesmente me disse "Não saberás jamais " .
Vi que está completamente mamado, é um senhor, por pena resolvi trazer.
Vocês podem me ajudar ?

Mário saiu e foi até o prédio onde ele morava chamar a filha para resgatar o pai.
Na volta pela primeira vez ela falou conosco, pagou o táxi e nos agradeceu.
Não me recordo muito de suas feições, guardo entretanto a imagem de um olhar triste.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O nome da raça

Casos de Advogados

Mal entendidos da vida de hoje